NOTÍCIAS

O que passa na cabeça de um investidor de startups?

Especialista conta o que pensa investidores antes de fazer aportes em startups e explica o que eles consideram na hora de avaliar um negócio

Print Friendly

Mais do que ter um negócio bem desenhado e que resolva um problema, uma startup precisa entender o que passa na cabeça dos investidores para conseguir conquistar um. Ao ir de porta em porta dos investidores, os empreendedores precisam, primeiro, entender o próprio negócio e verificar se ele se encaixa na tese de investimento de determinado investidor.

Brian Begnoche, sócio-fundador da EqSeed, plataforma de investimento on-line, explica que investidores, mesmo aqueles que fazem grandes aportes, dificilmente investem em uma única startup. “O investidor adota a estratégia de diversificar duas vezes: primeiro separando uma parte menor dos investimentos totais dele para aplicar em startups e, desse total, dividir esse valor em parcelas mais ou menos iguais para investir em várias startups”, afirma o especialista.

Inscreva-se na Corrida de Unicórnios e mostre que sua startup pode decolar 

Segundo ele, os retornos mais atraentes vêm de um portfólio de startups e não apenas de uma. Esse investimento é tão arriscado quanto qualquer outro, por isso, os investidores costumam construir teses de investimento.

Teses de investimentos são diretrizes seguidas por eles, como tamanho da startup, em qual estágio ela está, qual área de atuação, se já recebeu investimentos anteriormente, se já foi acelerada, quantos clientes já atendeu, etc. Conhecer as teses de investimentos dos investidores que busca é o primeiro passo dos empreendedores.

Startups atraentes

Sabendo como o investidor pensa e o que ele busca, as startups precisam entender bem do próprio negócio para conseguir chamar a atenção dos investidores. “Ele precisa ter uma visão de longo prazo, entender o que ele quer no futuro e como vai transformar sua startup em uma empresa de grande porte”, afirma o especialista.

Segundo ele, o empreendedor precisa responder a algumas perguntas-chave: quais as características-chave dos produtos e serviços que vende, quais os diferenciais do negócio, quais são os concorrentes e o que eles fazem e como a startup se diferencia no mercado.

Outro ponto muito olhado pelos investidores é o time. A experiência de cada pessoa do time e o papel de cada um na empresa conta – e muito – para que a startup receba investimento. Em muitos casos, principalmente em startups em estágios muito iniciais, a equipe tem um peso muito forte.

“Startups com produtos, serviços e modelos de negócios escaláveis, com equipes ótimas e sérias e com muita paixão para fazer a empresa crescer, com planos para o futuro deixam os investidores mais seguros”, segundo o especialista.

Inscreva-se na Corrida de Unicórnios e mostre que sua startup pode decolar 

Print Friendly