NOTÍCIAS

Em quais segmentos o capital circula no ecossistema de startups?

Não são todos os segmentos que atraem os investidores. Veja em quais mercados o dinheiro circula no ecossistema de startups

Print Friendly

Os anos que formaram o epicentro da crise econômica não apresentaram apenas números ruins. Entre 2014 e 2016, os investimentos-anjo, aqueles de menor valor e feitos, em geral, por pessoas físicas, cresceram 20%, segundo dados mais recentes da Anjos do Brasil, associação que reúne e representa os investidores-anjo do País. Em 2016, o tíquete médio desse tipo de investimento passou de R$ 108 mil para pouco mais de R$ 120 mil. Parece pouco, mas em volume foram movimentados R$ 851 milhões naquele mesmo ano – um crescimento de 9%.

O crescimento aponta para uma concentração nas fontes de capital, cada vez mais oriundas de investidores experientes. Eles fazem parte de um ecossistema que só se multiplica, o das startups, e agilizaram o processo de inovação de mercados tradicionais e criaram um mercado de investidores profissionais, aportando cada vez mais recursos.

O empreendedor Milton Mitidieri é um desses investidores. Ele mantém 10% de seu portfólio de investimentos, que contempla principalmente bancos e mercado imobiliário, para apostar em startups e só espera retornos a partir do quinto ano.

Inscreva-se na Corrida de Unicórnios e mostre que sua startup pode decolar 

Mitidieri tem como tese de investimento investir em negócios embrionários, que apresentam maior risco. Ele também tem como premissa o tamanho do problema que a empresa quer resolver. “O ponto de partida deve ser resolver dores que incomodem muita gente, principalmente empresas muito grandes”, explica.

Segundo o presidente da Cotexo, Marcelo Galli, o que atraiu os investidores foi o tempo de mercado da Cotexo e a organização da equipe e dos processos. A empresa operou durante cinco anos antes de recorrer a capital externo, o que, segundo Galli, deu mais tranquilidade para os investidores. O aporte mais alto foi de R$ 100 mil e a média de R$ 11 mil. Em 2017, a Cotexo faturou R$ 379 mil, um crescimento de 31% em relação ao ano anterior.

Giuliano Moretti, engenheiro químico e investidor do setor de startups, colocou parte de seu dinheiro na Cotexo. Ele, como Mitidieri, dedica 10% do seu portfólio de investimento para as startups e faz um trabalho minucioso de diversificação dos investimentos, com alocações em seis startups que atuam em áreas totalmente diferentes. “É investimento de altíssimo risco e por isso aloco uma fração segura do meu rendimento, sempre de acordo com uma estratégia”, indica.

A estratégia de Moretti no direcionamento de seus investimentos contempla também a relevância socioeconômica dos negócios. “O caput da minha tese de investimento é apostar em empresa que contribua para o desenvolvimento social ao mesmo tempo em que traga lucro acima da média”, avalia.

O varejo pede startups

Se a mortalidade das startups é grande, o retorno com elas é acima da média do mercado. Um estudo da Grant Thornton e da Anjos do Brasil mostra que, a cada real investido em startups, a economia recebe R$ 5,80 ao fim de cinco anos. Não por acaso, grandes empresas de todos os setores têm integrado startups ao seu ecossistema. Um estudo realizado pela 100 Open Startups em 2017 apontou que o número de negócios firmados entre startups e corporações aumentou 194%.

A Bacio di Latte, varejista especializada em doces e sorvetes especiais, observou o potencial da Peepi, startup de programas de incentivos a consumidores e colaboradores que “defendem” uma marca. A startup conseguiu R$ 360 mil em investimentos ao longo de dois meses, e fechou contrato com a empresa para cuidar da imagem dos colaboradores e consumidores que defendem a marca nas redes sociais.

Mesmo como mercado ascendente, investimentos em startups ainda podem ser considerados como um ato de coragem por quem coloca seu capital no setor. “Realmente, é uma militância, mesmo que prometa lucros acima do mercado no futuro. A verdade é que é um investimento de alto risco que conta muito mais, hoje, com a vontade do investidor de participar do processo de inovação do País”, conclui Milton Mitidieri.

Inscreva-se na Corrida de Unicórnios e mostre que sua startup pode decolar 

Print Friendly